Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

INSTITUCIONAL

 

historiaUMA HISTÓRIA QUE CONTINUA

“Tudo o que foi que é e será nosso me seduz. As raízes sustentam a árvore”. (Ir. Regina Marrocos)

Celebrar 190 anos do Instituto das Religiosas da Instrução Cristã, é voltar às nossas raízes, fazer memória de nossa história e espiritualidade.

 Em 21 de novembro de 1800, diante de um quadro de Nossa Senhora com o menino Jesus nos braços, rua La Touraine, Paris, Capelinha dos irmãos Barat, quatro jovens se consagram ao Sagrado Coração de Jesus e ficam sob a orientação dos Padres da Fé(jesuítas). Missão do grupo: catequese Paroquial.

Em 15 de outubro de 1801, dão início à Educação da juventude em Amiens. Depois de alguns meses, achando-as aptas, Pe.  Varin prega um retiro – tema Deus só! Foi realizada a cerimônia dos primeiros votos. A Comunidade, pelas circunstâncias, ficou filiada às Diletas de Jesus de Jesus de Roma, das quais herdamos a medalha, que usamos até 1968. O povo as chamava de Damas da fé (orientadas pelos Padres da Fé) ou da Instrução Cristã por serem Educadores da Fé.

Em maio de 1808 sob a direção de Madre Maria Antonieta Ghislaine de Peneranda, chegam as primeiras religiosas francesas na Bélgica em Gand, Abadia de Dooresele(Porta do céu) nossa Casa Mãe até 1921.

A célebre crise das Constituições, a influência do Galicanismo e atitudes do governo Francês, causam o desligamento das irmãs belgas das da França, em 1814. Madre Peneranda à frente de 12 religiosas belgas continua a Obra começada. Comunidade e colégio caminhavam satisfatoriamente. O número de religiosas aumentava e engajava-se 2ª a Regra primitiva e usavam o hábito religioso adotado em Amiens. Em 1816 Madre de Peneranda funda Audenarde.

Em 1815 as portas da Abadia de Dooresele abre-se para Inês Margarida Verhelle, em breve Madre Agathe. Desde então ela se dá conta dos conflitos entre a Comunidade, o governo Civil e Eclesiástico. O não cumprimento das ordens do Rei, por Madre de Peneranda, culmina com a dissolução do Instituto em 17 de julho de 1822. Profundamente abaladas algumas irmãs pediram abrigos entre seus familiares, outras foram para Amiens e outras entraram em Institutos Hospitalares. Doze entre elas a Madre Agathe, resolve guardar tempos melhores, fazendo novas tentaivas, acreditando na Providência Divina. Em breve o ideal se realizaria.

Corajosa, decidada, dotada de grande discernimento e eleita por Deus, Madre Agathe com simplicidade e humildade suas virtudes prediletas, e ajudadas pelo Cõnego Rapsaet reabre Dooreselenem 25 de março de 1823. Em seguida readquire a casa de Audenarde e empreende outras fundações. Em 1º de dezembro de 1838, ela entra no Paraíso.

Madre de Peneranda morreu no Sacré Coeur, para onde voltou depois da expulsão das religiosas pelo governo Holandês, em 1822. Reconheceu seu erro. É preciso ver nas suas atitudes a Providência de Deus para realizar seus planos em Madre Agathe.

O corajoso caminho traçado pelas irmãs de ontem e que continua nos dias de hoje faz com que cada uma refunde a memórias de Santa Madalena Sofia, Madre Agathe Verhelle, Cônego Rapsaet e das primeiras irmãs e construa a história.

São 2013 anos de testemunho do amor de Deus desde às origens e 190 após a restauração! E assim, continuamos a trabalhar para Maior Glória de Deus, sacrificando-nos e consagrando-nos às juventudes, associando nossos colaboradores e famílias ao que sempre foi e deve permanecer nossa principal preocupação:o acesso dos jovens às riquezas da fé.

“Reconhecemos que somos devedoras à Rainha dos anjos e dos Santos, nossa Mãe e Advogada, de todas As bênçãos que o senhor não cessa de derramar sobre os nossos trabalhos, coronado- os dos mais felizes sucessos, pela facilidade que Ele nos dá em infundir a semente da virtude nos jovnes corações.”

Fonte: Anotações de Ir. Regina, o MAV e as Constituições.        

 

Religiosas da Educação Cristã

MADRE AGATHE VERHELLE – UMA JOVEM COMO VOCÊ

Uma jovem, pura e serena, sensível, vivia na cidade de Bruges na Bélgica, junto ao conforto e aconchego de sua família. Em determinado momento, no íntimo de seu coração foi por Jesus chamada, não resistiu ao apelo carinhoso do Senhor e sem protelar atendeu: “Eis-me aqui Senhor, estou pronta”.

Sua vida, então, tomou um novo rumo, pois o pulsar do seu coração era vibrante e o seu espírito muito maior e mais abrangente do que sua delicada aparência. Todas as dificuldades, e resistências, que teve de enfrentar não foram suficientes para fazê-la desistir, ao contrário, utilizou-se de tudo para fortalecer-se,  para trazer junto a si outras jovens que nela acreditaram e que também modificaram o caminhar de suas vidas.

A fé que dela emanava era tão especial, tão profunda, tão intensa que até hoje existe. No decorrer do tempo transformou-se em modelo para novas irmãs em vários lugares do mundo. Foi sem dúvida uma semeadora da esperança, trazendo dentro de si uma força capaz de transformar momentos de dificuldades em ação de graças, através da frase: “Só a Deus Honra e Glória”.

Assim foi a trajetória de  Madre Agathe Verhelle, humilde serva, porém forte o bastante para tocar nossos corações com a herança deixada por meio de seu Carisma  de “Sacrificar-nos e Consagrar-nos Inteiramente à Juventude”.

As Religiosas da Instrução Cristã, com suas obras, tornou-se importante não pela sua aparência, mas por sua capacidade de desabrochar dons e talentos em nossos jovens, formando-os para construir a nova civilização do amor.

Essa luz nascida no coração de Madre Agathe Verhelle, trazida para nós através de nossas Irmãs e perpassada para nossos alunos,  só poderia ter como fonte inspiradora Jesus, que disse: “Eu vim trazer o fogo à terra, que hei de querer se não que ela arda?”.