Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

ARTIGOS

Graus de Amor

 

Um sábio chinês afirmou que, se lhe fosse dado o poder de governar o mundo apenas por um minuto, ele iria fazer uma coisa só: “restabelecer o verdadeiro sentido da palavra amor”. Sim, a compreensão do amor está muito deturpada. Confundimos amor com prazer, desejo, interesse, atração, paixão. A verdade é que o amor é como o arco-íris, tem tonalidades diferentes. Semelhante a uma escada, o amor tem degraus e graus. O amor de concupiscência, que e ainda egocêntrico, difere do amor de benevolência que quer o bem do outro. O amor filantrópico tem razões diferentes do amor teocêntrico. O primeiro é humanitário, o segundo fundamenta-se em Deus.

Pode acontecer que em determinadas áreas de nossa personalidade, atingimos um grau elevado de maturidade no amor e noutras somos ainda imaturos. Vivemos experiências onde nos sentimos como anjos e noutras ainda como animais. Às vezes somos parecidos com as crianças e outras vezes, percebemos que somos capazes da gratuidade e doação generosa. São os paradoxos e as ambigüidades que permeiam a arte de amar. O amor de amizade, é um grau elevado de amor, embora o amor-ágape, é o amor em sua máxima expressão, porque é doação de si, sem esperar recompensas, sem interesses, visto que é dar a vida pelo outro. É o amor que se desvela em benevolência, cuidado do outro, altruísmo, disponibilidade, paciência, perdão.

Na verdade o amor é uma composição de vários elementos como: auto-estima, amizade, intimidade, enamoramento, fidelidade, dom de si. Desde a filosofia grega, o amor foi refletido em graus e tonalidades diferentes. O “amor-concupiscência” (porneia) é a experiência do amor carnal, interesseiro, voraz, até instintivo, como por exemplo, a criança que mama. O “amor-dependência” (phaté), comporta ciúmes, submissão, controle do outro.

Temos em seguida o “amor-eros” que se caracteriza pela atração, libido, impulso, desejo, calor humano. O “amor-jogo”(ludus) é o vale tudo, a orgia, a falta de pudor, a liberdade sem limites. O “amor-posse” (mania) é a dominação, o apego, a manipulação e a obsessão pela pessoa amada. O “amor-espelho” (pragma), representa as pessoas que procuram alguém que faz o seu tipo, o seu estatus, alguém igual a si mesmo, seu espelho. O “amor-ternura” (storge) é o carinho, respeito, valorização, acolhimento, admiração do outro. O “amor de amizade” (filia) é o altruísmo, partilha, dedicação, benevolência. O “amor-compaixão” (káris) é a sensibilidade pelo outro, a misericórdia, a reconciliação, o bem-querer, a bondade, a salvação do mundo. Na escala grega, por fim, vem o “amor-ágape”, que é a maturidade no amor, desejar o que outro deseja, estar a serviço do outro sem esperar vantagens, capacidade de morrer pelo amado.

A moral católica ensina também uma “ordem do amor”. Assim, o amor conjugal tem primazia em relação ao amor pelos filhos. Já o amor pelos filhos tem prioridade ao amor pelos pais. Eis então a hierarquia do amor: amor conjugal, amor pelos filhos, amor pelos pais, amor pelos irmãos, amor pelos parentes, amor pelos amigos. O que importa mesmo é que o amor não tem limites. Jesus ensinou e praticou o amor aos inimigos, aos pecadores, aos pobres. Em Jesus, amor e verdade, se abraçam, amor e justiça são inseparáveis. A medida do amor é amar sem medidas.

O amor é palpável e inefável, ternura e fidelidade, misericórdia e verdade. Tem força centrífuga, tende para a união. Onde está o amor ali está Deus. O amor é lugar da epifania de Deus. A vida humana é na verdade uma história do amor de Deus, mesmo quando sofremos, superando a dor. É preciso aprender a amar. Na escola do amor ninguém se aposenta, somos aprendizes e discípulos na arte de amar, até o fim.

O amor é nossa identidade, nosso nome, nossa vocação. É um desejo e compromisso de aliança, é encontro de duas liberdades. O amor é o melhor que nos pode acontecer. O amor basta. Quando se ama não se coloca em questão o sentido da vida. Um gesto de amor vale mais que toda a massa de matéria do universo, dizia Pascal. O Criador é o Ser que nos faz ser. É próprio do amor sair de si mesmo. Somos o centro do amor de Deus. Ele nos desejou desde sempre, nos criou e recria a cada instante. Seu amor nos conduz providencialmente. Aceitar ser amados, crer no amor, deixar-se amar, sentir-se amável, eis nossa resposta ao amor de Deus.

Dom Orlando Brandes

Arcebispo de Londrina

5 coisas a saber sobre a encíclica de Francisco, 'Laudato Sí '

1. O que é uma encíclica?

A encíclica assume a forma de carta e é geralmente dirigia a membros da Igreja Católica mas,  às vezes, para a sociedade em geral como é o caso da Laudato Sí. Um Pontífice geralmente se expressa sobre algum ensinamento da fé católica, apontando erros que poderiam ameaçar a compreensão fiel da doutrina católica ou sugerindo possíveis soluções para os problemas globais.

 

2. Quantas encíclicas escreveu o Papa Francisco?

O Papa Francisco escreveu duas encíclicas a saber: "Lumen Fidei" ("luz da fé"), lançado em 2013, e agora "Laudato Si" ("seja louvado"). Lumen Fidei contou com grande colaboração de Bento XVI. Laudato Sí é a mais extensa encíclica escrita em todos os tempos, com 192 páginas.

 

3. Por que esta encíclica recebeu tanta atenção?

O Papa Francisco é o primeiro Papa na história da Igreja Católica a dedicar uma encíclica completa sobre o meio ambiente. Segundo Francisco o objetivo é oferecer uma contribuição para a Conferência Geral da ONU que acontecerá em NY, Conferência do Clima, em Paris, no final deste ano.


4. O que a encíclica dizer sobre a mudança climática?

Francisco aponta o aquecimento global como uma grande ameaça à vida no planeta, cuja grande responsável é a atividade humana. Ele argumenta que há necessidade “emergente” para políticas que reduzam emissões de carbono, entre outras formas, por substituição de combustíveis fósseis e desenvolver fontes de energia renovável.


5. Que outros temas faz o endereço encíclica?

Ele destaca o esgotamento de água potável e da perda de biodiversidade. Com 192 páginas a encíclica inclui uma extensa seção sobre a teologia católica da criação e críticas à globalização da economia e da cultura do consumidor. O Papa Francisco ao enfatizar  seu tema de assinatura de justiça econômica, enfoca os efeitos sociais desiguais dos problemas ambientais sobra as pessoas mais vulneráveis do planeta.


Veja a íntegra da encíclica e também em anexo com PDF.


Fonte: The wall street journal / Instituto Humanitas Unisinos - http://www.crbnacional.org.br/site/index.php/noticias/destaque/2068-5-coisas-a-saber-sobre-a-enciclica-laudato-si


 






Ler todas
» Retorno ao Evangelho
» Missionários e Missionárias
» DIA NACIONAL DA VIDA CONSAGRADA
» Papa aos Jovens na Vigília JMJ 2016
» Você tem uma vocação
» 53° Dia Mundial de Oração pelas Vocações
» DIA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES
» Homilia no Domingo de Ramos da Paixão do Senhor C 2016